Milagre

Crónicas 14 outubro 2021  •  Tempo de Leitura: 6
O que é? Todos sabem, mas talvez tenham uma ideia demasiado cinematográfica de um milagre. Imaginamos algo extraordinário no plano material e que dá esperança, mas não é real. Seguros disso? Muitas são as pessoas que não acreditam em milagres, mas a razão pode ser diferente da que pensam. Talvez não acreditem numa certa visão dos milagres. 

 
Eis o que nos diz o Dicionário.
mi·la·gre
(latim miraculum, -i, maravilha, coisa extraordinária, milagre)
nome masculino
  1. Facto sobrenatural oposto às leis da Natureza.
  2. Portento, maravilha, prodígio.
 
Mais do que definições de milagre, o Dicionário apresenta visões do que são os milagres. Destas definições, a que mais se aproxima da visão de milagre que me parece mais aberta é maravilha. Pois, é uma palavra que expressa o que está na raiz etimológica de milagre: um objecto de deslumbramento. Mas a razão de pensar hoje nesta palavra é muito pessoal.


No passado dia 13 de outubro, uma multidão de peregrinos caminhou ou foi até ao Santuário de Fátima por ocasião da celebração do milagre do Sol. Até poderíamos procurar uma explicação científica para o fenómeno como fez Stanley Jaki em “God and the sun at Fatima”. Mas, o verdadeiro milagre não estará no facto das crianças saberem que algo extraordinário aconteceria, como foi testemunhado por muitas pessoas naquele dia? O milagre do Sol está mais relacionado com o deslumbramento da informação do que a espetacularidade do fenómeno em si. Mas não tenho qualquer experiência pessoal relacionada com o milagre do Sol senão partilhar esse dia com o meu nascimento há 45 anos. 


Pensei no milagre da vida. Quando os meus filhos nasceram, a vida transformou-se completamente. E essa parece-me ser a visão mais profunda e genuína de milagre: a transformação da nossa visão do mundo. Mas não pode ser uma transformação qualquer. Um milagre faz-nos experimentar como a realidade está para além daquilo que pensávamos ser real. Um milagre revela uma infinidade de camadas de percepção da realidade. Por isso dizia que transforma a visão do mundo. 

Um milagre na sua forma mais autêntica actua no mais íntimo de nós mesmos. Desafia o conhecimento estabelecido sem o negar, mas revela haver um “algo mais” que nos leva a ver o mundo com olhos novos. Talvez seja por causa deste novo olhar que sinta a palavra maravilha como a definição que mais se aproxima desta visão. E se tudo o que muda o nosso íntimo, no sentido de uma vida mais profunda, é um milagre, então, existem mais milagres no universo do que pensamos, o que representa um risco.


Se gosto de doces, quanto mais como, menos acabo por saborear porque o doce torna-se uma experiência banal. Se considerar tudo o que transforma o meu modo de ver as coisas como um milagre, o risco que corro é o de que esta experiência se torne banal, deixando de ser milagrosa. Por isso, o que transforma a visão do mundo de uma pessoa pode ser diferente daquilo que transforma a visão de outra. O que é milagre para mim pode não ser para ti e o segundo risco é o da subjectividade.

Por mais que alguém queira encontrar uma boa explicação para um milagre, dado o seu carácter interior e íntimo, vivido na primeira pessoa, quando é partilhado, quem o procura explicar para nós, sai imediatamente fora do contexto transformativo do milagre e pode chegar mesmo a desprezá-lo. E o valor que o milagre tem para nós pode abafar-se na incompreensão do outro pela experiência que fizemos. Por isso, devemos calarmo-nos diante de um milagre? Tudo depende do modo como falamos.

Se um milagre transforma realmente a visão que temos do mundo e da vida, nota-se. Por isso, talvez o melhor modo de comunicar um milagre que experimentámos na nossa vida seja a de mostrarmos, com o silêncio, o efeito que esse milagre produziu em nós. Quantas vezes vemos alguém que antes estava sempre com uma cara triste, e passou a sorrir e vemos nesse sorriso uma beleza incrível que não imaginávamos. Ficamos curiosos e resolvemos perguntar. Cuidemos bem da resposta, com a atenção que merece, porque conheceremos o milagre que transformou a face dessa pessoa. Já vi coisas extraordinárias como alguém levantar-se de uma cadeira de rodas, mas o maior milagre que vi foi a transformação de vida de um rapaz que diante de um cântico simples, e sem grandes floreados, a ecoar na basílica onde nos encontrávamos, chora e muda de vida. Aliás, descobriu a vida e com a sua transformação mostrou-me que a Deus nada é impossível.


Para acompanhar o que escrevo pode subscrever a Newsletter Escritos em https://tinyletter.com/miguelopanao

Professor na Universidade de Coimbra e Doutorado em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico. Membro do Movimento dos Focolares. Pai de 3 filhos, e curioso pelo cruzamento entre fé, ciência, tecnologia e sociedade. O último livro publicado em self-publishing intitula-se KeepUp - Organização do Tempo de Estudo à venda na Amazon. Em filosofia, co-editou Ética Relacional: um caminho de sabedoria da Editora da Universidade Católica.

Blogues: Saber Aprender e  Ciência e Fé. 

Acompanhe os escritos do autor subscreveendo a Newsletter em https://tinyletter.com/miguelopanao

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail