Ai, meus ricos Santos populares

Crónicas 24 junho 2022  •  Tempo de Leitura: 2

Estão de volta os
Santos populares. E que falta nos fazia esta normalidade. Este convívio que tanto nos alimenta e nos dá um cheirinho da eternidade prometida.

 

Esta época dá-nos sempre um outro encanto (mesmo quando a metereologia não ajuda). A comida e a bebida fazem o milagre da multiplicação das relações. A boa disposição opera em todos nós o milagre de uma partilha sem fim.

 

A comemoração dos Santos populares é muito mais do que uma mera tradição. É, no meu entender, a forma mais humana que temos de dar a conhecer a alegria de Deus por nós. Ao festejarmos o Santo António, ou o São João ou o São Pedro, trazemos um pouco do Céu à Terra. Se estivermos com atenção, não acontece nestas festividades aquilo que era prometido como sendo o Reino dos Céus? Não existem também aqui eternos banquetes? Não reconhecemos verdadeiramente como todos se amam? Não identificamos com facilidade a bondade e a beleza? Não temos bem de perto a presença de um amor sem medidas?

 

Comemorar os Santos populares com a família e/ou amigos é hoje, mais do que nunca, um testemunho verdadeiro de que o sonho de Jesus pode ser cumprido. E o que precisamos? Precisamos do simples que Ele nos deixou: uma boa refeição, uma boa mesa e testemunhar com a nossa vida e a nossa alegria de que sabemos amar e ser amados.

 

É certo que nem todos olham desta forma para estas festividades, no entanto até mesmo nesses Deus se revela de forma autêntica e verdadeira.

 

Numa altura em que parece ser cada vez mais difícil falar de Deus ou dá-Lo a conhecer, deixemos que seja a alegria e o amor a verdadeira manifestação da Sua presença, do Seu espírito, do Seu sopro.

 

Benditas festividades que nos alimentam a beleza da fé!

Nasceu em 1994. É estudante do Mestrado Integrado em Psicologia na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. É acólito e catequista. Adora pensar e pôr os outros a pensar. “Porque nem tudo faz sentido...” é o nome do seu blog e da sua primeira obra literária lançada em 2014. Desbrava um caminho de encontro consigo mesmo, com o outro e com Deus. “Minh'alma anseia por mais de Ti. Meu coração só deseja a Ti. Lembro do dia em que Te conheci. A minha vida mudou. A minha vida mudou.”.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail