Não tem mal ficar calado

Crónicas 2 outubro 2020  •  Tempo de Leitura: 2

Não tem mal ficar calado. Não somos obrigados a ter as respostas que todos procuram. Não temos de carregar o peso de colocar palavras em muitas das situações que devem atravessar o silêncio.

 

Não tem mal não ter nada para dizer. Nem tudo se transforma diante da conversa. Há momentos que nos moldam com a ausência. Há circunstâncias que nos renovam com a solidão de nada se ver ou possuir.

 

Não tem mal não saber o que se dizer. Muitas vezes o melhor que podemos oferecer é esta nossa fragilidade de nada ter para dar. E, deste jeito, mostrar que também nos predispomos a caminhar por entre as incertezas. Deixando que a presença fale de tudo o que não foi pronunciado.

 

Não tem mal ficar calado. Precisamos de aceitar isto. Sem incómodo. Permitindo que ressoe em nós o sofrimento, a dor ou a incompreensão do mistério da vida.

 

Não tem mal não ter nada para dizer. É o silêncio que constrói a gramática daquele momento. É o silêncio que conjuga todos os tempos daquele tempo. É o silêncio que leva luz à sombra que não nos permite exprimir.

 

Não tem mal não saber o que se dizer. Assim poupamos o outro com as frases que não nos abraça. Damos o conforto necessário com a presença do olhar capaz de nos unir mais intensamente. Damos o testemunho verdadeiro de acompanharmos fielmente.

 

Não tem mal ficar calado, se na simplicidade do que somos permitirmos que o outro repouse em nós!

Nasceu em 1994. É estudante do Mestrado Integrado em Psicologia na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. É acólito e catequista. Adora pensar e pôr os outros a pensar. “Porque nem tudo faz sentido...” é o nome do seu blog e da sua primeira obra literária lançada em 2014. Desbrava um caminho de encontro consigo mesmo, com o outro e com Deus. “Minh'alma anseia por mais de Ti. Meu coração só deseja a Ti. Lembro do dia em que Te conheci. A minha vida mudou. A minha vida mudou.”.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail