Quando foi a última vez que amaste?

Crónicas 18 setembro 2020  •  Tempo de Leitura: 2

Quando foi a última vez que amaste? Não aquele amor lamecha. Nem demonstrado para as redes sociais, mas sim o amor à séria. Aquele que é capaz de perdoar inteiramente. O amor que fala sem ninguém escutar e que se revela sem ninguém dar por isso.

 

Quando foi a última vez que amaste? Esse amor tremendamente humano que chega a tocar o divino. O amor que é capaz de olhar sem condenação e proporcionar a ti e a todos a verdadeira libertação. O amor genuíno sempre pronto a ser ponto de abrigo e morada permanente dando assim a conhecer a casa que tantos não tiveram ou que continuam sem ter.

 

Quando foi a última vez que amaste? Esse amor que te convida a alegrar o dia dos que se cruzam contigo. O amor que te resgata para o desconhecido criando em ti uma nova vida. Aquele amor que é capaz de fazer a diferença com o olhar e deixar que todas as feridas se curem num abrir e fechar de olhos.

 

Quando foi a última vez que amaste? Quando é que foi a última vez que concretizaste aquilo a que foste chamado a ser? Quando é que foi a última vez que te rendeste ao verdadeiro amor?

 

Ainda há espaço para o amor. E tu tens tudo para ser prova disso. Largando essa desconfiança que te acanha. Deixando de lado esse egoísmo que não te deixa ver o mundo. Colocando de parte essa necessidade absoluta de te recolheres em ti mesmo.

 

Ainda há espaço para o amor. Para amar sem medida. Sem querer receber nada em troca. Amando gratuitamente sabendo que tudo se tornará bom. Deixa que o amor seja a tua marca. Deixa que ele que se torne numa maneira de tu agires para contigo. Para com os outros. Para com o mundo.

 

Nunca te canses de te perguntar: quando foi a última vez que (te) amaste?

Nasceu em 1994. É estudante do Mestrado Integrado em Psicologia na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. É acólito e catequista. Adora pensar e pôr os outros a pensar. “Porque nem tudo faz sentido...” é o nome do seu blog e da sua primeira obra literária lançada em 2014. Desbrava um caminho de encontro consigo mesmo, com o outro e com Deus. “Minh'alma anseia por mais de Ti. Meu coração só deseja a Ti. Lembro do dia em que Te conheci. A minha vida mudou. A minha vida mudou.”.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail