O que é que sentimos?

Crónicas 7 agosto 2020  •  Tempo de Leitura: 2

O que é que sentimos? O que é que sentimos quando bem longe de nós o mundo parece estar a desabar? Catástrofes destroem a vida de tantos e tantas. Explosões e guerras retiram o lar de quem grita por uma liberdade plena. Interesses mundanos roubam a possibilidade de muitos virem a ter uma refeição durante o seu dia.

 

O que é que sentimos? O que é que sentimos quando a miséria e o desastre não é connosco? É que as partilhas e os likes ainda não instauram a paz, nem mudam as mentalidades tantas vezes embebidas no ódio e na vingança. É que a nossa falta de interesse não atenua, nem elimina os problemas daqueles que são obrigados a fugir para pelo menos sobreviverem.

 

O que é que sentimos? O que é que sentimos quando nos chegam imagens de crianças esquecidas por todos nós? Continua a ser roubada a infância a muitas delas. Continua a ser eliminada a possibilidade de poderem vir a sonhar com o seu futuro. De poderem rir e brincar sem se preocuparem com as suas vidas e com as vidas daqueles que amam.

 

O que é que sentimos? O que é que sentimos quando um sem abrigo nos aborda? Saímos de peito cheio a reclamar pelas suas opções de vida ou entramos verdadeiramente nas suas vidas? É sempre muito mais fácil ficar do lado de fora. Ficar do lado em que não se tem de sentir o cheiro. Ficar do lado em que as nossas entranhas não têm de se contorcer por tantas histórias de vida desalinhadas por tantos acontecimentos.

 

O que é que sentimos? O que é que sentimos quando Lhe levamos tudo isto em oração? Como é que Lhe falamos dos outros? Como é que Lhe pedimos pelos outros? É verdade que muitos de nós têm os seus problemas, as suas dificuldades e as suas dores que também merecem ser escutadas e olhadas, mas encontremos nas nossas feridas a capacidade de sabermos pedir pelo outro.

 

O que é que sentimos quando as palavras não nos chegam e a nossa humanidade nos confronta com tamanha fragilidade? Espero que sintamos tudo isto com empatia e compaixão e lhes deixemos falar ao nosso coração!

Nasceu em 1994. É estudante do Mestrado Integrado em Psicologia na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. É acólito e catequista. Adora pensar e pôr os outros a pensar. “Porque nem tudo faz sentido...” é o nome do seu blog e da sua primeira obra literária lançada em 2014. Desbrava um caminho de encontro consigo mesmo, com o outro e com Deus. “Minh'alma anseia por mais de Ti. Meu coração só deseja a Ti. Lembro do dia em que Te conheci. A minha vida mudou. A minha vida mudou.”.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail