É preciso deixar no passado aquilo que foi passado!

Crónicas 3 abril 2020  •  Tempo de Leitura: 2

É preciso deixar no passado aquilo que foi passado. Não se pode pisar nada de novo se continuamos a persistir no que foi antigo. Há que existir uma libertação para que possamos começar uma nova ação. Só deste jeito permitiremos que o perdão nos seja dado. Deixando que tudo seja, de novo, trabalhado em nós para que a renovação aconteça na nossa total dignidade. Que nunca se esvaece, que nunca se perde.

 

É preciso deixar no passado aquilo que foi passado. Pode ter ficado escrito, nas marcas que delimitam a nossa humanidade, mas não se deve tornar em travões, que nos fazem arrastar os pés, em busca daquilo que tanto desejamos: deixarmo-nos ser efetivamente! Só assim poderemos voltar a ver mais e melhor. Despontando, de uma vez por todas, a novidade de podermos viver cada dia como dádiva permanente. 

 

É preciso deixar no passado aquilo que foi passado. Agarrarmos o nosso coração despedaçado e quebrado e passar-lhe a mão da vida. A mão que sustenta todo aquele que parece perdido. A mão que aponta no meio da escuridão para a aurora da vida. A mão que é capaz de manter a sinfonia da vida ao ritmo dos hinos da alegria.

 

É preciso deixar no passado aquilo que foi passado. É o agora que existe. E este agora pode ser eternizado, porque viverá na certeza de que nada se dá por terminado e que ninguém pode ser acabado. Este agora pode ser eternizado, porque se alicerça na vontade de recomeçar vezes sem fim na esperança de voltar a caminhar por trilhos jamais imaginados. 

 

É preciso deixar no passado aquilo que foi passado!

 

Hoje, se quiseres purificar-te diante das tuas sombras, pergunta-te demoradamente: quantas vezes deixaste que a Luz te visse? quantas vezes permitiste que a Luz te amasse?

Nasceu em 1994. É estudante do Mestrado Integrado em Psicologia na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. É acólito e catequista. Adora pensar e pôr os outros a pensar. “Porque nem tudo faz sentido...” é o nome do seu blog e da sua primeira obra literária lançada em 2014. Desbrava um caminho de encontro consigo mesmo, com o outro e com Deus. “Minh'alma anseia por mais de Ti. Meu coração só deseja a Ti. Lembro do dia em que Te conheci. A minha vida mudou. A minha vida mudou.”.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail