Três passos para um “melhor-estar” digital

Pastoral da Comunicação 09 agosto 2018  •  Tempo de Leitura: 5 min

A cidadania digital não pretende um regresso a uma idílica ausência de uso das novas tecnologias, nem propõe uma adoção imediata e automática de tudo o que é digital, pois não parece que nem um nem outro configurem algo de bom seja para quem for.

 

A cidadania digital propõe olhar a forma como usamos o mundo digital (novas tecnologias, etc) de modo a identificar o que está a mais (e que deve ser retirado), o que está bem (e deve ser mantido) e o que está em falta (e que, pela mesma lógica, deve ser acrescentado).

 

Nesta linha de pensamento, e enquanto formador de cidadania digital, gostaria de propor um exercício ligeiro para este verão: darmos três passos concretos para um “melhor-estar” digital.

 

Porém, não se tratam aqui de três passos sequenciais na mesma direção, como se de uma caminhada se tratasse. A imagem da caminhada, bem conhecida por muitos, pode não ser a mais proveitosa neste âmbito, pelo que proponho uma diferente.

 

Parece-me que, mais do que à imagem da caminhada, a nossa evolução para um melhor-estar digital se pode parecer mais com uma dança. Importa notar que não se dança dando três passos em frente. Dança-se, pelo que sei, dando passos em diferentes direções, a diferentes ritmos e por vezes até com diferentes comprimentos, conforme a situação.

 

Assim, proponho darmos três passos, usando esta imagem, em diferentes direções, podendo cada um depois escolher o ritmo (a altura mais correta para dar o passo) e o comprimento (a profundidade/intensidade do passo) de cada um destes três passos.

 

Para começar, daremos um passo atrás, seguido de um passo para o lado, finalizando com um passo em frente.

 

O passo para trás será o passo mais tradicional no que diz respeito a reflexões acerca do uso das ferramentas digitais: e corresponde a uma diminuição do uso de algo digital.

 

Importa identificar o uso de algo digital (pode ser uma aplicação, um aparelho, um programa, um horário, um local ou contexto onde uso, etc) que me esteja a impedir de chegar onde quero ou que me esteja a impedir de ser plenamente quem eu desejo ser. Das várias ideias que nos possam surgir em mente, importa escolher uma (apenas uma) e implementar essa ideia. Muitos vão querer implementar as três melhores ideias, e estarão a transformar a dança num sprint, que é um exercício desportivo interessante, mas inútil para uma pista de dança. Alguns terão vergonha de dar o primeiro passo, não sabendo o que os outros vão pensar acerca desta sua iniciativa. Começar a dançar habitualmente levanta dificuldades, mas vale muito a pena.

 

Tendo dado este primeiro passo atrás, e tendo ele corrido bem, a maioria poderá pensar que o melhor é aproveitar o ímpeto e dar mais três ou quatro passos atrás; relembro que a ideia é dançar e não correr, pelo que recomendo que o próximo passo seja para o lado.

 

Agora o passo para o lado: este passo tem algo de diferente, pois não implica a diminuição do uso de algo digital (smartphone, rede social, serviço de mensagens, etc) mas sim o uso diferente dessa mesma tecnologia. Não me refiro a usar a mesma tecnologia para falar com pessoas diferentes, nem usar uma app diferente que sirva o mesmo propósito de uma que já se utilize. O desafio aqui é aprender algo novo e que nos seja útil, idealmente algo a que possamos dar uso não só no verão mas também no outono e depois no inverno … É importante avaliar se a decisão do passo na praia com calor mantém o seu interesse para nós quando estivermos de volta ao trabalho, na nossa casa, na nossa cidade, etc.

 

Esta aprendizagem (passo para o lado) deve ser feita pedindo ajuda a uma pessoa (não vale fazer uma pesquisa …) e quem quiser um desafio adicional deve fazer este pedido a um teenager.

 

O objetivo deste passo é alargar o nosso horizonte digital, aprender algo totalmente novo mas útil, aprofundar o que a tecnologia pode de facto fazer por nós concretamente – trazer até nós uma das milhares de oportunidades fantásticas que todos ouvimos dizer que existem (pelo menos em teoria) no mundo digital. Este passo poderá ser fácil para alguns, mas poderá demorar algum tempo para outros – não devemos desistir logo à primeira dificuldade, mas sim insistir pelo menos três vezes antes de passarmos ao terceiro passo, desta vez em frente.

 

Continuar a ler...

tags: PontoSJ

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail