Cuidar da sua esperança

Crónicas 12 outubro 2017  •  Tempo de Leitura: 5 min

Uma coisa é certa: a dificuldade atual que temos com a esperança obriga-nos a purificar as representações que fazemos. Tornou-se insuportável o discurso de uma esperança isenta, empolgada, ligeira, fácil, imediata. Se um pensamento da esperança tem hoje pertinência é o de uma esperança que aceite a prova de fogo da desesperança, e que a integre no seu próprio processo. Uma esperança que não ignore o enigma e o absurdo de múltiplas situações da história, e não se pretenda ainda triunfalista ou autorreferencial. Como testemunha o poema de Sophia de Mello Breyner Andresen: “As paredes são brancas e suam de terror/ A sombra devagar suga o meu sangue/Tudo é como eu fechado e interior/Não sei por onde o vento possa entrar”. A palavra possível é, assim, sobre uma esperança humilde e depurada; uma esperança quase apofática, que tenha a forma daquele “esperar contra toda a esperança” (Rm 4,18), de que nos fala o apóstolo Paulo.

 

Um dia, um amigo fez a Franz Kafka a seguinte pergunta: “Existe esperança?” Kafka terá respondido: “Sim, existe esperança, e uma esperança infinita, mas não para nós.” Um outro exemplo: um dos romances emblemáticos para um certo espírito militante no século XX foi o de André Malraux, “L’espoir”. Publicado em dezembro de 1937, “A Esperança” descreve o início do conturbado período de conflito civil que dilacerou a Espanha entre 1936 e 1939. E fá-lo com as cores do desencanto. No final, o protagonista está sozinho e estas são as últimas palavras do volume: “Manuel escutava pela primeira vez a voz do que é mais grave que o sangue dos homens, mais inquietante do que a sua presença na terra: — a infinita possibilidade do seu destino; e sentia nele essa presença misturada ao rumor dos regatos e ao passo dos prisioneiros, permanente e profunda como as pancadas do seu coração.” A esperança permanece e ela é profunda como as pancadas do coração. Mas vivemos tempos, porventura, com maior dificuldade em ouvi-la. A crise hodierna é também uma crise da esperança.

 

Um comentador improvável de São Paulo, o filósofo Alain Badiou, ajuda-nos a ver que aquele “esperar contra toda a esperança” é, no fundo, uma fidelidade provada; uma tenacidade que o amor encontra na prova; uma espécie de fidelidade à fidelidade e não a imediata representação do seu resultado ou de uma recompensa futura. É, de facto, fundamental que a esperança não seja encarada como uma forma de escapismo teológico, mas constitua um abraçar consequente da duração e do devir, este duro “não sei por onde o vento possa entrar”.

 

Somos todos experiência do inacabado, indagação no incompleto, dureza e opacidade da pedra. E a esperança não nega ou contradiz isso. A esperança é uma gestação espiritual que ocorre precisamente nessas circunstâncias. É a esperança que entreabre, que faz ver, para lá das duras condições, possibilidades ainda escondidas. A nossa existência, do princípio ao fim, é o resultado de uma aprendizagem da esperança, e só ela é capaz de dialogar com o futuro e de o aproximar. Tal como o mal-estar é um sintoma que é preciso colher, que não se pode de modo algum negligenciar sob risco de ameaçar o conjunto da vida, assim a esperança. Ela não é uma exalação imaginária, uma ficção que nos separa do curso da existência. Pelo contrário, ela está tatuada no presente mais escaldante e escarno, exercita-se na tribulação, aprofunda-se na paciência, alarga-se na capacidade de resistir ao mal e ao sem sentido.

 

O teólogo Jürgen Moltmann escreveu: “O realismo ensina-nos o sentido da realidade. A esperança acorda o nosso sentido do possível.”

 

Revista Expresso | 2342, 16 de setembro de 2017]

Artigos de opinião publicados em vários orgãos de comunicação social. 

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail