Uma capelinha dentro do coração

Crónicas 03 dezembro 2019  •  Tempo de Leitura: 1 min

Há qualquer coisa de sagrado no coração de cada um. É como se todos tivéssemos uma capela interna para onde podemos correr quando tudo nos desarma.

 

Ali, onde todas as nossas histórias, lutas, verdades e mágoas se guardam é terreno movediço. Nem todos nos podemos orgulhar do que guardamos dentro do peito. Há finais felizes e sonhos cumpridos, mas também dramas por chorar, episódios que ainda precisam do carimbo do perdão ou raivas que acordariam qualquer monstro.

 

Quando deixamos que alguém reze a sua vida na nossa, estamos a permitir que entrem no nosso espaço mais precioso. Estamos a permitir que entrem na nossa capelinha privada.

 

No entanto, apercebo-me da nossa falta de querer deixar que os outros nos conheçam, nos invadam, nos desarrumem. Preferimos uma capelinha limpa de presenças, mas segura e sem riscos. Achamos que sabemos sempre quem vem por Bem ou por Mal, mas não. Não sabemos. E a alternativa a isso não poderá ser: fechar as portas a todos.

 

No mês de desembrulhar o presépio e de o trazer à luz das coisas com importância, valerá a pena varrer a nossa capelinha de medos, orgulhos, arrogâncias ou superioridades e semear espaço para o que o Céu nos quiser dar.

tags: Marta Arrais

Marta Arrais

Cronista

Nasceu em 1986. Possui mestrado em ensino de Inglês e Espanhol (FCSH-UNL). É professora. Faz diversas atividades de cariz voluntário com as Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus e com os Irmãos de S. João de Deus (em Portugal, Espanha e, mais recentemente, em Moçambique)

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail