Tornar-se cristão

Razões para Acreditar 11 julho 2019  •  Tempo de Leitura: 1 min

Paulo obriga-nos a manter uma distância crítica em relação ao “naturaliter christianus” de que falava Tertuliano. Não, Paulo não é espontaneamente cristão, nem nós o somos. Ele chega ao cristianismo numa dramática contramão, quando nada o fazia prever, que comportou uma inversão total do seu destino.

 

Não é por acaso que Lucas o descreve «caído por terra» (Atos 22,7), atingido por uma cegueira funcional (como se tivesse de voltar a aprender o que significa ver), e conduzido por outros, pela mão (Atos 22, 11).

 

Nem é inopinadamente que a sua própria história o torna objeto de surpresa e desconcerto - «aquele que uma vez nos perseguia, agora está a anunciar a fé que em tempos queria destruir» (Gálatas 1,23), diziam os cristãos da Judeia.

 

O cristianismo em Paulo começa com a necessária operação de instauração, ou de re-instauração, do sujeito crente. Assim, a lição de Paulo é que nós não somos cristãos, mas sobretudo tornamo-nos, e obriga-nos a romper com o conformismo teológico de um cristianismo como dado adquirido, que se dá simplesmente como previsível.

 

Verdadeiro é o oposto: com Paulo, o crer torna-se regulado e modelado por uma experiência de transformação. Como ele próprio escreve na Segunda Carta aos Coríntios: «Nós todos que, com o rosto descoberto, refletimos a glória do Senhor, somos transfigurados na sua própria imagem» (3,18).

 

[D. José Tolentino Mendonça | In Avvenire]

Artigos de opinião publicados em vários orgãos de comunicação social. 

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail