Dez mandamentos para viver um Natal cristão

Razões para Acreditar 22 dezembro 2018  •  Tempo de Leitura: 7 min

Sobre o Natal, cada um de nós tem muitas histórias para contar: presentes, árvore, presépio, luzes, pai natal, centros comerciais… Praças, casas, ruas e montras iluminadas atraem-nos e revelam a sua importância. Tantas são as atividades que se realizam, as preparações, as compras, que nos fazem esquecer o Festejado: Jesus Cristo, o Emanuel, o Deus connosco, que dividiu a história antes e depois dele.

 

Os intermináveis afazeres e as raízes pagãs da festividade que ocorria na data em que hoje se assinala o Natal ameaçam desde sempre o seu sentido, e por isso é importante recordar e esclarecer que ele significa o nascimento de Jesus. Por isso, desejando-nos Bom Natal, desejamo-nos “bom renascimento em Jesus”.

 

1. Prepara-te para o Natal
O tempo do Advento estimula-nos a prepararmo-nos para a chegada do Senhor através da vigilância, oração, conversão e caridade. Preparar-se para o Natal significa confessar-se, significa comprometer-se mais na oração e em realizar concretamente ações de caridade para com os mais necessitados.

 

2. Prepara o presépio
Deus não nasce nos corações fechados ou empedernidos. Deus bate e nunca entre se a Ele não se abre a porta desde o interior. É por isso que o verdadeiro presépio de Jesus está no teu coração quando é repleto de acolhimento, de perdão e de amor. «Prepara-me o presépio também na tua família porque, para mim, não existe um presépio mais belo do que uma família recolhida na oração, unida no amor, firme na fidelidade, onde cada um vê no outro o meu rosto.»

 

3. Honra a minha Mãe e o meu Pai
Maria e José são a minha família. Honra a minha Mãe que do alto da cruz te dei como mãe. Honra José que me protegeu e muito me ensinou, inclusive através do seu eloquente e orante silêncio. Recorda-te também que a verdadeira devoção que podes oferecer aos meus pais é a de honrares os teus pais e os teus avós, especialmente se são idosos.

 

4. Deixa-me um lugar livre à mesa
Sê generoso e não ocultes o teu medo e avareza por trás de preconceitos e falsas justificações. Aprende a ver-me em todo o faminto, sequioso, nu, recluso e doente. Por isso não adies o bem que podes fazer para aquele amanhã que nunca chegará e nunca fiques satisfeito se deixaste um irmão teu sem pão.

 

5. Vive o meu Natal com os teus
Detém a tua vida frenética e reordena a pirâmide das coisas de valor na tua vida. Não te deixes ficar escravo das coisas que perecem, do trabalho ou do supérfluo. Encontra tempo para brincar com os teus filhos, para falar com os teus, para sair juntamente com os teus. Eu nasci ao frio mas o calor da minha família salvou-me dele e do gelo que me rodeavam. Só o calor da família é capaz de aquecer-nos o coração.

 

6. Reconcilia-te com os outros
Sem perdão não há Natal. É inútil decorar a casa, o jardim e a rua com luzes e árvores de Natal se o rancor e os ressentimentos tomaram conta de ti. Liberta-te do ódio com o amor; do ressentimento com o perdão; da adversidade com a reconciliação; da hostilidade com a amabilidade. Ganha mais quem concede o perdão do que aquele que o recebe.

 

7. Não te envergonhes do meu Natal
Não nomeies o meu Natal em vão, transformando-o numa festa pagã. Aprende de João Batista a ser uma voz que grita no deserto do mundo para preparar a minha chegada. Não tenhas medo de dizer que esta festa se chama Natal, e não pai natal. Tirar o meu nome nunca é sinal de respeito pelos não crentes mas de vergonha dos crentes. Fala-se muito do meu nascimento mas sem me recordar. Fico sem palavras ao ver como se explora comercialmente ao máximo a minha festa sem me nomear. Ao menos tu não o faças.

 

8. Não dês presentes impuros ou inúteis
A cultura do materialismo e do comércio transformou o meu aniversário em infinitas embalagens de presentes de todo o género. Diante das mil e uma possibilidades, o presente tornou-se um peso para quem o oferece e para quem o recebe. Quantas coisas inúteis enchem as nossas casas e ocupam lugar durante anos. Aprende a dar bem os presentes, escolhendo a simplicidade e não a marca, a utilidade e não o preço. Liberta-te também do supérfluo e partilha os objetos que não usas com aqueles que deles precisam. «Algumas sugestões para um presente de Natal: ao teu inimigo, perdoa; ao teu adversário, oferece tolerância; a um amigo, oferece o teu coração; a um cliente, o teu serviço. A todos, dá a caridade. A cada criança, dá um bom exemplo. A ti mesmo, oferece respeito» (Oren Arnold).

 

9. Recorda-te de santificar a vigília e o dia do meu nascimento
Faz mal ver os crentes absorvidos e agitados na preparação do jantar da véspera de Natal e ao mesmo tempo desinteressados em encontrar o tempo para santificar a minha chegada ao mundo. Sinto que devo lembrar-lhes: «Marta, Marta, andas preocupada e agitada com muitas coisas, mas uma só é a coisa que é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada» (Lucas 10, 41-42).

 

10. Recorda-te dos idosos
O Natal é tempo de alegria mas é também tempo de memória, e a memória torna-se um chicote nas costas das pessoas que, após uma longa vida, se encontram sós, abandonadas e esquecidas até pelos próprios filhos. Empenha-te, por isso, em dar-lhes o calor que te deram em abundância quando dele precisavas. Oferece-lhes também um telefonema ou uma breve visita, será o presente mais belo que poderás dar-me.

 

Abre o teu coração à verdadeira luz: a luz que pode iluminar e transformar-nos, se nasce dentro de nós; a luz do bem que vence o mal; a luz do amor que supera o ódio; a luz da vida que derrota a morte.

 

Na realidade, estou a pedir-te para que transformes o meu Natal no teu natal para uma vida generosa e frutuosa.

 

É por isso que também Eu te desejo um Bom Natal!

 
[Yoannis Lahzi Gaid | Secretário pessoal do papa Francisco]

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail