O crente e o ateu

Razões para Acreditar 06 novembro 2018  •  Tempo de Leitura: 2 min

«O crente: Sou um crente, Senhor, afligido pela dúvida de que Deus não exista. O ateu: Eu, pior. Sou um ateu, Senhor, afligido pela dúvida de que Deus, ao contrário, exista realmente. É terrível.»

 

Hoje está esquecido, mas Achille Campanile (1900-1977) teve ao seu tempo sucesso por causa do seu humor paradoxal. Das suas “Tragédias” extraí este diálogo entre um crente e um ateu.

 

Contas feitas, muito mais convencido da existência de Deus está o ateu, ainda que seja pela implícita suspeita do inexorável juízo divino.

 

Parto desde mini-diálogo para um exame de consciência. Se tivéssemos de escavar até ao fundo da alma de muitos cristãos, não seria arriscado colocar a hipótese de que para não poucos deles Deus é uma presença de segundo plano, quase como uma decoração da alma.

 

Está lá, relegado no seu mundo sagrado; interpela-se em caso de grave necessidade; entrega-se-lhe o tributo de uma missa dominical e de algumas orações; respeita-se devido àquele são temor instilado pelos pais desde a infância.

 

A fé autêntica, no entanto, como nos ensina a Bíblia, é muito mais. Digamos mesmo: é algo até de dramático, é uma paz conseguida, mas através da luta, como nos ensina Abraão que sobe o monte Moriá ou Jacob que combate na noite ao longo do rio Jabbok.

 

Cristo veio sacudir as consciências, a trazer o fogo e a espada. Aos seus discípulos pediu para serem sal e luz, para vigiarem na noite, para se darem na totalidade e sem cálculos. A tepidez o grande risco, como adverte o Apocalipse à comunidade cristã de Laodiceia (cf. 3, 14-19).

 

 

[P. (Card.) Gianfranco Ravasi | In Avvenire]

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail