XII TC: «Jesus orava sozinho, estando com Ele apenas os discípulos.»

Liturgia 22 junho 2019  •  Tempo de Leitura: 4 min

Opinião… forma de mostrar o desagrado ou o gosto por alguém ou por algo!
Opinião… cada um de nós gosta de dar a opinião sobre o momento que vive!
Opinião… já muitos defendem que a opinião alheia não lhe provoca “mossa”!
A verdade é que gostamos de escutar o que pensam sobre nós, especialmente, se for positivo!
E… ficamos “pensativos” quando a opinião não é tão boa…

 

Jesus, Aquele de quem as escrituras falam:
«Ao olhar para Mim, a quem trespassaram,
lamentar-se-ão como se lamenta um filho único, chorarão como se chora o primogénito.»
porque O Salvador, segundo S. Paulo, sabia que: «…todos vós sois um só em Cristo Jesus.»
e… este: “todos vós” é, hoje, um: cada um de nósque com fé clama:
«Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.
A minha alma tem sede de Vós. Por Vós suspiro, como terra árida, sequiosa, sem água.»
tanta palavra para dizer que: o Messias também quis escutar: «Quem dizem as multidões que Eu sou?».

 

Mas, a liturgia de hoje, do 12º domingo do tempo comum do ano C, não nos atira para o meio das multidões.
Jesus está a rezar… Jesus está com os Seus Amigos…
Com Aqueles que nos dão a opinião que deve ter o maior peso na nossa vida!
Por isso, há uma segunda questão (uma terna dúvida): «E vós, quem dizeis que Eu sou?».

 

Hoje, esta interrogação está escrita nas atitudes diárias que tomamos em favor uns dos outros.
Quando alguém chora… quem digo eu que Jesus é para mim?
Quando alguém grita… quem digo eu que Jesus é para mim?
Quando alguém foge… quem digo eu que Jesus é para mim?
Quando alguém usa de maldade pura…
quem digo eu que Jesus é para mim?

 

Jesus é Aquele que Hoje nos faz tremer!
Não somos capazes de responder…
permanecemos em silêncio, de rosto no chão, pensativos e sem qualquer acção!
Porque a Cruz que Jesus ergue ao alto é dor… e não há quem assuma!

 

Se recordarmos a nossa infância, a forma como aprendemos,
descobrimos que só somos fortes quando sofremos!
Nesses momentos sentimos quem são os outros para nós: os amigos verdadeiros e aqueles que nos amam!
Nesses dias, onde a luz está apagada, ansiamos o sol e quando um raio seu nos aquece o rosto, damos graças!
…é verdade que só tem valor o que já não possuímos!
Hoje, o provérbio oriental:
“Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis geram homens fracos,
mas homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis geram homens fortes.”
ajuda cada um de nós, (porque Jesus dirige-se a todos) a ver o desafio do Messias com óculos cor-de-rosa,
com Esperança e com garra renovada para o aceitar!
Vivemos tempos difíceis, onde há opiniões que nos matam lentamente…
Mas que seja a nossa atitude, o nosso: “SIM!” à Cruz de cada dia,
que mate a dificuldade que nasce na falta de Fé com que vivemos!

 

Queres dar a tua opinião sobre alguém?
Então, olha para ti primeiro. E depois de encontrares em ti um pedacinho minúsculo do Messias,
podes partir e anunciar que os tempos serão fáceis, porque tu és forte e segues o Mestre, sem medo!

Liliana Dinis

Cronista Litúrgica

Liliana Dinis. Gosta de escrever, de partilhar ideias, de discutir metas e lançar desafios! Sem música sente-se incompleta e a sua fonte inspiradora é uma frase da Santa Madre Teresa de Calcutá: “Sou apenas um lápis na mão de Deus!”
Viver ao jeito do Messias é o maior desafio que gosta de lançar e não quer esquecer as Palavras de S. Paulo em 1 Cor 9 16-18:
«Porque, se eu anuncio o Evangelho, não é para mim motivo de glória, é antes uma obrigação que me foi imposta: ai de mim, se eu não evangelizar. (…) Qual é, portanto, a minha recompensa? É que, pregando o Evangelho, eu faço-o gratuitamente, sem me fazer valer dos direitos que o seu anúncio me confere.»

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail