AIS: O segredo de Diana

Notícias 05 dezembro 2019  •  Tempo de Leitura: 5 min

Cuba vive tempos difíceis. Com a economia estrangulada e um regime político fechado, há cada vez mais jovens que desejam emigrar pois sentem que não conseguem realizar os seus sonhos na ilha de Fidel. Mas nem todos são assim. Diana tem 26 anos e, apesar de todas as dificuldades, sorri. É catequista. Sabe como ela aprendeu a rezar? Esse é o [grande] segredo de Diana…

 

Diana Calderon é estomatologista. Vive no município de Santa Isabel mas quando se apresenta costuma dizer que pertence à paróquia de Santo António. Diana fala com a alegria típica dos cubanos, enchendo as palavras de sorrisos, gesticulando. Parece quase uma adolescente, apesar de já ter 26 anos. Embora os cartazes publicitários falem de Cuba como um paraíso nas Caraíbas, com praias de areia clara, comida apetitosa e gente simpática, a realidade é bem diferente. “A vida aqui não é fácil”, diz Diana, resumindo tudo a uma simples frase. Porém, apesar das dificuldades, há quem não desista. Diana, por exemplo, decidiu oferecer parte do seu tempo a ensinar catequese às crianças da sua paróquia. Desde os 16 anos que é catequista. “Quando me apercebi do que a Igreja havia feito por mim, decidi ensinar o Evangelho às crianças e jovens”, diz, abrindo as mãos como se quisesse abraçar todas as crianças da ilha. A história de Diana cruza-se com a da Fundação AIS. Quando era ainda menina recebeu um pequeno livro de capa encarnada que iria mudar a sua vida para sempre. O livro, a “Bíblia para as Crianças”, editado pela Fundação AIS, continua em sua casa, continua na estante, mas está bem gasto. Foi lido e relido vezes sem conta. “Cresci a ler a ‘Bíblia para as Crianças’ da Ajuda à Igreja que Sofre. Trouxe-me o mais importante das nossas vidas – a fé!”. Mesmo agora, já adulta, quase a chegar aos trinta anos, é ainda a esse livro que recorre vezes sem conta pois sabe que ali está guardado um verdadeiro tesouro. Diana nasceu numa família católica e isso ajudou-a a perceber que tinha de fazer alguma coisa pelos outros, que tinha de partilhar o tesouro que um dia lhe ofereceram.

 

As crianças

 

Pertencer à Igreja abriu-lhe as portas do mundo. A paróquia de Santo António tem cerca de 20 mil pessoas espalhadas por 15 lugares. São pequenas aldeias dentro de uma aldeia. Mas ela aprendeu a ver mais longe. Ser catequista deu-lhe “uma visão diferente acerca dos desafios e dificuldades no país”. E nem a desconfiança do regime face à Igreja a demoveu. Mas não foi fácil. “Não foi fácil porque no passado viver abertamente a nossa fé Católica podia resultar na perda de emprego, comida, família ou casa.” No entanto, as dificuldades e até o medo alimentaram ainda mais a sua vontade. E Diana nunca mais parou. “Em todo o mundo há muitos homens e mulheres como eu, que querem cumprir a sua missão sob condições muito difíceis, e também necessitam da vossa ajuda.” Diana Calderon agradece à Fundação AIS ter-lhe dado um livro que acabaria por mudar a sua vida. Num país onde as dificuldades económicas persistem, onde o regime procura ainda controlar a vida das pessoas, há quem não tenha medo do futuro. É o caso de Diana. Ela sabe, no seu íntimo, que as suas crianças podem ser a chave da mudança. “Quando elas regressam às suas casas, abençoam a comida e falam aos pais sobre Cristo.” Parece pouco? Pode ser imenso. Um dia, graças à Fundação AIS, ofereceram um livrinho de capa encarnada a Diana. Ela guarda esse livro como um tesouro. Foi lá, nas suas páginas, que aprendeu a rezar, que se comoveu com Jesus, que decidiu que iria entregar a sua vida também à Igreja. É por isso que se tornou catequista. Para não guardar o tesouro da fé só para si. Esse é o segredo de Diana!

 

 

Fundação de direito pontifício, a AIS ajuda os cristãos perseguidos e necessitados.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail