AIS: Pequenas coisas

Notícias 14 fevereiro 2019  •  Tempo de Leitura: 4 min

Sonhou com um bom marido e muitos filhos. Uma grande família. Deus fez-lhe a vontade. Hoje, a Irmã Júlia vive numa ordem contemplativa – a Congregação de São Bento, na Ucrânia – e diz que recebeu Jesus como esposo. O sorriso com que embala as palavras é a prova de que é feliz. Tudo o que faz no dia-a-dia é em função de Deus. Mesmo as coisas insignificantes. Especialmente as coisas mais insignificantes…

 

9htm3Bhd 

Júlia tinha um sonho. Casar, ter uma grande família, muitos filhos. Uma vida cheia. Júlia rezou muito. Pediu a Deus para escutar a sua oração, o seu pedido. O seu sonho. Júlia procurava um marido, mas Deus deu-lhe muito mais. Deu-Se. Júlia foi uma rapariga normal, uma boa estudante. Acabou o curso de medicina para ajudar as pessoas, ajudar os outros. “Sempre quis ajudar”, diz, sorrindo. Desde pequena que Júlia se tinha habituado a falar com Deus, a tagarelar com Ele. A rezar. Desde pequena que Júlia lhe pedia uma vida cheia, uma vida feliz. Um dia, Júlia descobriu a Congregação das Irmãs de São Bento. Houve um clique. Ali dentro, no mosteiro, naquela casa, viviam algumas mulheres consagradas. Visto assim, de fora, as suas vidas resumiam-se a momentos de oração e de trabalho. Visto com os olhos enamorados de Deus, Júlia descobriu muito mais. “Nós vivemos no mosteiro para ajudarmos o mundo com as nossas orações.” São apenas algumas mulheres. A mais nova tem apenas 24 anos e a mais velha 68. Ao todo, são 18 irmãs. São 18 vozes a rezar pelo mundo. Por todos nós. Hoje, a irmã Júlia sorri quando olha para trás, para as suas dúvidas e expectativas. A irmã Júlia sorri quando pensa nos filhos que não teve e repara na humanidade inteira que abraçou quando decidiu seguir a vida religiosa. A vida no mosteiro é simples. As irmãs rezam e trabalham. “A nossa vocação não é uma escolha, mas a resposta a um chamamento.”

 

Pretexto para oração

 

O mosteiro onde vive a Irmã Júlia tem uma pequena quinta. As irmãs tratam dos animais, da agricultura. De tudo. São elas que cozinham, são elas que lavram o campo, que podam as árvores, que limpam o chão dos dejectos dos animais. Nada ali é insignificante. Para as irmãs, cuja missão principal é a adoração perpétua de Deus, cada pequeno gesto, até o cortar da lenha, o mexer a comida ao lume, é pretexto para um instante de oração. De uma oração que não tem começo nem fim. As irmãs rezam como respiram. Quando entrou no mosteiro, a Irmã Júlia despediu-se um pouco de si própria. Ela não vive mais para si, para os seus sonhos ou desejos, para a sua carreira. Tudo o que a Irmã Júlia faz agora no dia-a-dia é em função de Deus. “A nossa pobreza é não escutarmos Deus.” Por isso, a Irmã Júlia e todas as outras 18 irmãs do mosteiro de Zytomierz, na Ucrânia, dão tanta importância a todos os gestos do dia-a-dia. É que Deus está presente em tudo. Mesmo nas coisas insignificantes. Especialmente nas coisas insignificantes…

Fundação de direito pontifício, a AIS ajuda os cristãos perseguidos e necessitados.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail