​A família ou uma carreira? A família

Crónicas 11 agosto 2017  •  Tempo de Leitura: 2 min

A liberdade individual deve ser respeitada. Mas por mais irresponsável que alguém seja, cabe sempre a cada um arcar com as consequências das suas escolhas.

 

A família ou uma carreira? Para muitos não há opção. Alguns não têm família, outros estão desempregados. A maior parte tem de conjugar as duas, mas a verdade é que, desde há alguns anos, só em casos raros e passageiros se consegue um perfeito equilíbrio.

 

Família e carreira exigem tudo, cada uma para si, sem concederem grande espaço à outra. Trata-se de uma dupla exclusividade que é, por si só, um paradoxo: a simples coexistência da família e de uma carreira é já motivo de uma escolha impossível, porque a inevitável tentativa de conciliação é sinónimo de um duplo fracasso.

 

Quem trabalha e tem uma família vive com sacrifícios permanentes e culpas duradouras.

 

Outros têm uma família com vários problemas, que se agravam por falta de tempo ou atenção para cuidar deles. Tudo piora e torna-se cada vez mais cómodo estar longe… e piora ainda mais…

 

Para ser valioso é preciso ser útil. Muitos pensam que o seu valor depende do que têm, da sua carreira ou da posição social que ocupam. A esmagadora maioria de nós defende que nada há mais importante do que a família, porém depois apenas nos empenhamos a nível profissional, deixando a família para os tempos livres… ou, de forma ainda mais simples: para depois.

 

Talvez importe que cada um de nós pense bem na sua vida e nos objetivos a que se propõe, sem ingenuidades. A carreira é importante, mas apenas e só enquanto instrumento ao serviço de um outro fim.

 

A família exige tudo, quase sempre em troca de nada… mas só aí se pode ser feliz.

Artigos de opinião publicados no site da Rádio Renascença.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail