Onde é que Tu estás?

Crónicas 06 setembro 2019  •  Tempo de Leitura: 3 min

Onde é que Tu estás quando não encontro no outro o brilho do seu olhar? 

Onde é que Tu estás quando a cor da vida está sem intensidade na sua pele?

Onde é que Tu estás quando a ação já nem sequer atua por mera reação? 

Onde é que Tu estás quando a vida começa a desvanecer por entre dores inexplicáveis?

 

Tu que dizes que sempre estás e que afirmas ser Caminho, Verdade e Vida explica-me: por onde se caminha nesta verdade que a vida me dá? 

 

Tu que dizes que sempre estás e que em Ti tudo se define em amor e por amor mostra-me como se revela a Tua compaixão e o Teu amor nestes momentos e horas. É que a minha presença parece preencher muito pouco, o meu silêncio parece castigar mais do que qualquer dor e as minhas palavras parecem um mero protocolo de socialização que não acrescenta absolutamente nada. 

 

Onde é que Tu estás quando as lágrimas querem escrever tudo o que não consigo expressar? 

Onde é que Tu estás quando o sentido de tudo isto lhes parece ter sido roubado não sabendo muito bem qual a direção de um novo trilho?

Onde é que Tu estás quando quero ser para o outro apenas mais uma certeza de que que continua a valer a pena confiar?

 

Não acredito que não estejas por perto um único segundo. Não acredito que não sofras tanto ou mais do que nós. E não duvido que nos tentes explicar tudo isto com o Teu silêncio ensurdecedor que tantas vezes nos acalma, mas que tantas outras nos revolta.

 

Não desconfio que o Teu amor seja soprado no coração de cada um, nem que faças ouvidos de mercador a tanto sofrimento sem fim. 

 

Não te peço que me reveles a Tua presença, mas que ao menos sejas presença viva naqueles a quem eu não Te consigo falar, mostrar e explicar. 

 

Que em cada questionamento meu sobre a Tua presença, Tu te mostres com a graça da Tua tão grande Graça. 

 

Que em cada questionamento meu sobre a Tua presença, Tu te reveles verdadeiramente naqueles que sofrem. 

 

Que eu nunca saiba como é que Tu estás, nem onde estás, mas que aqueles que sofrem sintam no meu olhar que Tu nunca os abandonaste!

Nasceu em 1994. É estudante do Mestrado Integrado em Psicologia na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. É acólito e catequista. Adora pensar e pôr os outros a pensar. “Porque nem tudo faz sentido...” é o nome do seu blog e da sua primeira obra literária lançada em 2014. Desbrava um caminho de encontro consigo mesmo, com o outro e com Deus. “Minh'alma anseia por mais de Ti. Meu coração só deseja a Ti. Lembro do dia em que Te conheci. A minha vida mudou. A minha vida mudou.”.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail