Sê a mudança

Crónicas 12 agosto 2019  •  Tempo de Leitura: 2 min

Quantas vezes sonharam com um mundo de paz? Para mim, nunca passou de um sonho. Um sonho tão distante, um daqueles sonhos que sabemos que nunca vamos chegar porque não dependem de nós, porque no mundo existem tantas desigualdades, tantos diferentes pontos de vista. O mundo tem tantas coisas diferentes e tantas pessoas distintas que aos poucos me acostumei à ideia de que um mundo de paz só vai existir nos meus sonhos mas não para ver concretizado algum dia.

 

Torna-se ainda mais difícil porque nem sequer me sentia paz comigo mesma. Então, se nem sequer no sítio onde vivo e com quem vivo consigo a paz que sonho quanto mais almejá-lo para uma realidade ainda maior.

 

Pensar global, agir local. Comecei por mim. A paz não é um sítio onde chegas é um caminho que, com coragem, te propões a caminhar todos os dias. Todas as coisas que queria para o mundo comecei a aplica-las comigo, na minha vida. Ousei erradicar a violência da minha vida. Ousei começar a escolher a paz. Pelo caminho compreendi que a violência é como uma droga. Nem sabemos que somos viciados. Nem sabemos o quanto nos magoa, o quanto nos faz mal até nos irmos livrando dela.

 

 A verdade é que pensamos que é só uma discussão. Que gritar é normal. Que casa ralhada é casa governada. A verdade é que nos repetimos que faz parte. Que isto é a vida. Não! Não! A tua vida podia ser assim mas isso não significa que não possa ser de outra forma. Lá porque neste momento parece que não existe outra opção não significa que ela não exista. Ela existe. É possível viver sem violência. É possível viver-se de paz. É possível governar-se uma casa, debater-se pontos de vistas sem nos magoarmos no percurso.

 

A verdade é quando crescemos nos ensinam a escrever, a ler e a fazer contas. Mas tantas vezes se esquecem de ensinar a amar e a ser amado. Tantas vezes nos esquecemos de ensinar a viver com paz, serenidade. Tantas vezes nos esquecemos de ensinar as emoções.  A verdade é que o mundo de paz é possível, porque amar é possível. Basta começarmos por nós. E, ao mudarmos veremos em como o mundo se atreve a mudar connosco.

Paula Ascenção

Cronista

Leiga Missionária Comboniana por vocação. Gerontóloga de profissão. Nasci do amor e fiz d’Ele o meu caminho e missão. O meu lema de vida é “Ama e farás o que quiseres”. Peregrina de mim, viajante da vida, do mundo e das pessoas. Levo o coração como bússola e o amor de Deus como mapa no bolso de trás.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail