Quando acreditas, há um milagre!

Crónicas 30 maio 2019  •  Tempo de Leitura: 2 min

Todos nós já fizemos a experiência do que é suplicar, pedir, implorar por algo que queremos muito que aconteça na nossa vida ou na vida dos nossos mais próximos. Na vida do mundo. Geralmente, pedimos aquilo que não está ao alcance do nosso conhecimento, das nossas forças, da nossa ciência, das nossas possibilidades. E detemo-nos – quantas vezes – à espera que o milagre aconteça. Uma espera assente na fé, mas ainda assim regada com lágrimas e dor.

 

Na verdade, o milagre começa a acontecer quando começamos a aceitar a realidade pela qual imploramos mudança: uma doença incurável que surgiu, uma situação de desemprego, a morte de alguém que nos é querido, uma possibilidade de mudanças das nossas atitudes ou das atitudes de outros mais próximos... Aceitar não significa resignar, mas sim acolher numa atitude esperante, que nos implica e compromete na mudança dessa realidade. E uma das primeiras atitudes que podemos ter diante da realidade que nos traz sofrimento ou menos paz é realizar tudo o que está ao nosso alcance para a transformar. Desejavelmente para melhor. E esta é uma parte fundamental para o milagre acontecer: o meu compromisso com a transformação dessa realidade.

 

E é quando nos pomos em causa e nos implicamos nas nossas e noutras transformações que os verdadeiros milagres acontecem. Aí, quantas vezes descobrimos em nós dons que não sabíamos que existissem e forças que (des)conhecemos a sua origem.

 

Sim, milagres acontecem. E, sim, acontecem quando nos animamos reciprocamente e comprometemos connosco e com o mundo.

 

Para isso, há que acreditar!

Cristina Duarte

Cronista

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail