Procissão de luz

Crónicas 14 maio 2019  •  Tempo de Leitura: 3 min

Escrevo esta crónica enquanto revejo mentalmente as imagens de dois acontecimentos destes dias: o 13 de Maio em Fátima e o Crisma da minha sobrinha. Duas celebrações um tanto ou quanto diferentes e ao mesmo tempo, bastante semelhantes.

 

Impressiona aquele mar de luz durante o Terço e a Procissão das Velas… Impressionante também, a "procissão" de luzes na autoestrada nº 1 em direção a norte. Fazia nesse momento a minha viagem de regresso a Lisboa. Depois de Condeixa, uma fila interminável de automóveis na direção contrária. Tinha terminado a Procissão, à pouco mais de meia hora. Também a "segui" na rádio… Tenho bem frescas estas imagens "peregrinas"…

 

Impressionou-me a multidão de jovens e adultos no Crisma da vigararia da minha igreja natal. Mais de 200 crismados acompanhados por familiares, amigos e padrinhos. Permanecem na minha mente as imagens de felicidade da minha sobrinha…

 

«A "fé ainda move montanhas"!?»

 

Neste dois acontecimentos, as mesmas dúvidas, as mesmas perguntas e as mesmas respostas. Muitos destes cristãos não voltarão a uma igreja na próxima semana. Não participarão na Eucaristia, nem rumarão a um outro santuário. Uns quantos sabem da sua "situação irregular" perante a Igreja e os seus ensinamentos. A esta "irregularidade" não atribuo só os recasados ou em união de facto, mas penso na falta de acolhimento de familiares; na falta de perdão para com amigos; em situações de herança mal resolvidas; em trabalho mal pago; nos idosos abandonados; na formação dos filhos apenas para o ter e o vencer a todo o custo; e tantas outras situações…

 

No entanto, Deus ama-nos a todos! Ele é o Bom Pastor! E é por isso que qualquer cristão deve saber acolher a todos. Perante esta "humanidade ferida" que ainda se volta para Deus, através dos sacramentos ou da devoção à Virgem Mãe, todos temos o dever de apresentar a Boa Nova, o Evangelho.

 

Recordo o episódio de Tomé que quer tocar as feridas do Mestre: Jesus vai ao encontro do seu discípulo; faz com que lhe toque nas feridas; faz com que Tomé tome consciência que aquela carne do Filho de Deus não pode amar se não estiver ferida; faz perceber que a Ressurreição estabeleceu que o que resta e o que salva é o amor que alcança a máxima dedicação.

 

Acabei a viagem de carro mais motivado. Talvez, porque a partir da saída de Fátima, também eu vinha naquela "procissão" de luzes na autoestrada nº 1, desta vez rumando a sul, em direção à capital. Como eu me senti parte desta "humanidade ferida" na procura da presença (sacramento) do Bom Pastor.

Licenciado em Teologia. Professor de EMRC. Adora fazer Voluntariado.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail