Sê o sorriso e o abraço que mudam o mundo

Crónicas 13 maio 2019  •  Tempo de Leitura: 3 min

Uma professora de psicologia ensinou-me que quando somos crianças temos muitos amigos mas à medida que crescemos não só se torna mais difícil fazer amigos como vamos perdendo dos amigos que nos rodeiam. Eu acho que tudo isto nasce da nossa vontade em compreender e ser compreendidos. A compreensão verdadeira é utopia porque seria necessário alguém viver por mim, seria necessário alguém percorrer os meus passos para reconhecer onde me doem os calos e onde habitam as cicatrizes.

 

Nós, adultos, chegamos a uma fase em que somos exigentes demais nas amizades. Já não chega amar, tem de ter sentido de humor. Não chega o sentido de humor tem de se rir das mesmas coisas que nós e em última instância precisamos que os nossos valores coincidam, que nos oiça e que nos compreenda. Damos por nós com uma lista interminável de exigências quando aquilo que todos queremos é amar e ser amados nas nossas diferenças e particularidades. Então se todos estamos na mesma página porque temos mais dificuldade em amar-nos e ser simplesmente amigos uns dos outros?

 

Uma vez conheci um senhor que no alto dos seus quarenta e tal anos era a maior criança que conhecia. Tinha alma de criança. Trabalhámos juntos arduamente o dia todo e ainda que cansado o primeira e única imagem que tenho dele é o seu sorriso e o seu abraço. Rimos nesse dia. Sempre que o encontrava seja para trabalhar ou para conversar deixava-me com um sorriso e um abraço.

 

Precisamos de nos deixar tocar pelo outro mas também precisamos de atrever-nos a tocar o outro. Precisamos de ter a ousadia de levar um sorriso àquele que encontramos, que cruza o nosso caminho ou que trabalha connosco. Precisamos de ousar abraçá-lo e perguntar-lhe como está. Precisamos de cuidar-nos mais uns aos outros sem ter motivo. Precisamos de amar-nos sem razão. Precisamos de querer-nos bem sem sabermos porquê, só porque sim. Precisamos de, tal como o senhor que um dia conheci, ter alma de criança e voltar ao jardim-de-infância onde com um sorriso e um abraço já fazíamos um amigo novo. O que mudou para agora já não chegar? Será que faz mesmo falta algo mais para ser amigo de alguém que um sorriso e um abraço?

 

Um sorriso e um abraço afinal de contas mudam vidas. Mudaram a minha. Tenho a certeza que o sorriso e o abraço de alguém também já mudaram a tua vida em algum momento. Então talvez ser missionário e querer mudar o mundo seja apenas sorrir e abraçar quem nos rodeia. E talvez assim estejamos a fazer o mais importante: “amar-nos uns aos outros como eu vos amei”. Assim se salva o mundo pessoa a pessoa. Salva alguém hoje. Um dia alguém te salvará a ti.

Paula Ascenção

Cronista

Leiga Missionária Comboniana por vocação. Gerontóloga de profissão. Nasci do amor e fiz d’Ele o meu caminho e missão. O meu lema de vida é “Ama e farás o que quiseres”. Peregrina de mim, viajante da vida, do mundo e das pessoas. Levo o coração como bússola e o amor de Deus como mapa no bolso de trás.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail