«Todos nascem como originais, mas muitos morrem como fotocópias»

Crónicas 30 abril 2019  •  Tempo de Leitura: 3 min

Esta frase é de Carlo Acutis. Jovem que morreu em 2006 apenas com 15 anos e após uma "luta" contra uma leucemia agressiva. Depois de fazer a 1ª Comunhão com sete anos, nunca falhou à Eucaristia diária, bem como à Adoração ao Santíssimo Sacramento. Nossa Senhora era a sua grande confidente e nunca se esquecia de a honrar rezando todos os dias o terço. Um jovem normalíssimo que viveu a santidade no quotidiano.

 

E por que motivo cito esta frase? Porque o Papa Francisco faz referência a este jovem na Exortação Apostólica "Christus Vivit" e  apresenta-o aos jovens como modelo para o uso positivo das novas tecnologias e redes sociais.

 

No documento, que é composto por nove capítulos divididos em 299 parágrafos, o Santo Padre explica que se deixou "inspirar pela riqueza das reflexões e diálogos do Sínodo" dos jovens, celebrado no Vaticano em outubro de 2018, intitulado "Os jovens, os fé e discernimento vocacional ".

 

No quarto capítulo, o Papa Francisco anuncia três grandes verdades aos jovens: "Deus é amor"; "Cristo salva-te"; e "Ele vive". Estas três verdades contêm o significado profundo desta Exortação. No seu conjunto, são o grande anúncio Pascal. Francisco mostra desta forma estar em sintonia com o Sínodo. Este, no seu documento final, apelava à centralidade do "anúncio de Jesus Cristo, morto e ressuscitado, que nos revelou o Pai e ofereceu o Espírito", como dom irrenunciável a oferecer aos jovens hoje.

 

A Igreja nada mais tem que oferecer a cada jovem, além deste encontro com o Deus vivo, que ela própria continua a experimentar como amor, como salvação e como fonte de vida. O Santo Padre é claro ao colocar aos nossos olhos o essencial do cristianismo: Jesus está vivo! Devemos conduzir os jovens ao encontro com Ele e não com as nossas estruturas. Estas devem estar ao serviço do encontro pessoal com Jesus. Quanto temos a mudar nas nossas catequeses e nas nossas vivências da fé…

 

É neste encontro pessoal com Jesus que se podem abrir novas possibilidades de orientação vocacional. Entrar numa autêntica relação de amizade com o Senhor, oferece aos jovens a possibilidade de considerar os próprios itinerários e as próprias decisões à luz da mensagem e do amor de Jesus Cristo a toda a humanidade. Porque já é Jesus que suscita, sustem e encoraja os jovens a uma vida autêntica e a deixar de lado tudo aquilo que manipula e escraviza.

 

E todos nós estamos envolvidos nesta tarefa. Não é numa igreja que facilmente se esquece deste Deus Vivo; não é numa igreja tantas vezes triste; não é numa igreja preocupada com o supérfluo que os jovens se vão deixar seduzir por este Cristo Ressuscitado.

 

Não sejamos incrédulos, mas crentes!

Licenciado em Teologia. Professor de EMRC. Adora fazer Voluntariado.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail