Amar como Deus nos ama

Crónicas 01 abril 2019  •  Tempo de Leitura: 2 min

É quaresma, é tempo de conversão, é tempo de amar. É tempo de refletir como temos amado, como temos vivido e como temos permitido que os outros nos amem. Temos verdadeiramente amado e permitido que nos amassem de volta? Às vezes damos por nós presos a uma zanga da qual nem o motivo nos lembramos. Às vezes damos demasiado tempo ao rancor e a pormenores, deixamos que eles incomodem a nossa vida ao ponto de nos zangarmos. Damos por nós incomodadas e zangadas quando passados dez minutos nem do motivo nos vamos lembrar. Façamos o exercício de demorar na serenidade. Façamos o exercício de demorar no amor. Esse que perdoa. Esse que tem memória mas que aceita os erros, as imperfeições, as cicatrizes e as feridas. Esse que sabe que cada pessoa tem uma história mais ou menos feliz, mais ou menos cruel que o trouxe até aqui e o levou a tomar essas opções.

 

Vemos pessoas, não histórias. Amar é caminhar juntos. O amor vê os erros, as imperfeições e as cicatrizes e ama cada uma delas. Tal como Deus nos ama a nós, aprendamos, pouco a pouco, passo a passo, a amar os outros. Tal como Deus nos perdoa a nós caminhemos para, passo a passo, perdoarmos os outros. Assim como Deus nos aceita comecemos a aceitar os outros tal e como são e não como gostaríamos que fossem. Deus ama-nos sem exigir mudanças, acompanha-nos pela vida fora, sem nos cobrar. Somos capazes de caminhar para sermos capazes de amor. Somos capazes de esvaziarmos de ses, mas, condições. Somos capazes de esvaziar-nos de violência, rancor e raiva. Seremos nós capazes de amar, simplesmente amar?

 

Sim! Claro que sim. Esta quaresma olhemo-nos e perguntemo-nos: Temo-nos verdadeiramente permitido amar? Já parámos para olhar o quê e como amamos? Já parámos para compreender se verdadeiramente investimos o nosso tempo amando quem nos ama, quem nos rodeia? Temos parado para ver o quanto temos amado e cuidado o mundo? Quanto tempo vamos demorar no ódio, na violência, no rancor e na raiva?

 

“Seremos julgados pelo amor.” (São João da Cruz) Então amemos muito, amemos melhor, amemos como Deus nos ama. Assumamo-nos imperfeitos e incapazes e ponhamo-nos a caminho para amar o mundo e quem nos rodeia como Deus nos ama: infinitamente e incondicionalmente.

Paula Ascenção

Cronista

Leiga Missionária Comboniana por vocação. Gerontóloga de profissão. Nasci do amor e fiz d’Ele o meu caminho e missão. O meu lema de vida é “Ama e farás o que quiseres”. Peregrina de mim, viajante da vida, do mundo e das pessoas. Levo o coração como bússola e o amor de Deus como mapa no bolso de trás.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail