Bodas de Ouro

Crónicas 26 fevereiro 2019  •  Tempo de Leitura: 3 min

"Lembrai-vos que não ser amado

não é uma tragédia;

é o não amar que é a tragédia.

Este é o sal da vida:

amar!"

Dom Tonino Bello

 

Este fim de semana os meus pais completaram 50 anos de matrimónio. O celebrar uma data que comemora tamanha longevidade de vida em comum, começa a ser raro nos dias que vivemos.

 

Creio que o segredo dos meus pais e de outros casais que chegam e ultrapassam esta marca está nesta citação de D. Tonino (irei citar outras). A tragédia dos casais de hoje é a de quererem encontrar a sua "alma gémea" esquecendo-se que eles próprios têm que ser o mesmo para o seu amado.

 

"Amar, voz do verbo morrer, significa se descentrar-se. Sair de si. Dar sem perguntar. Ser discreto ao máximo como o silêncio. Sofrer para fazer cair as escamas do egoísmo".

 

Amar não é esperar que alguém me ame, mas ir ao encontro do outro e amá-lo. Como posso sentir o amor se não amo? Como posso saber que o amor vem ao meu encontro se não saio de mim mesmo para perceber o que é amar alguém?

 

Se olharmos para o Evangelho deste domingo, veremos que para o cristão o amor é exigente: «Como quereis que os outros vos façam, fazei-lho vós também. (…) Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso». (Lc 6, 31. 36)  Casar não é uma "fusão" de duas vidas, duas ideias… É um caminhar juntos onde se vão limando arestas, ou como escreveu  D. Tonino, limpando as escamas do egoísmo de cada um.

 

"O amor autêntico é uma planta que cresce, não um galho que seca. É uma força que se expande, não uma energia que encolhe. É um trabalho que é esculpido, não uma rocha que se quebra".

 

E isto é todo um trabalho a fazer neste caminho a dois. É uma obra para toda a vida.

 

Estes casais que vão somando Boda atrás de Boda, são aqueles que estão em contínua aprendizagem: «A beleza da família é esta aprendizagem serena da diferença, a arte de guardar aquilo que não se entende, aquilo que, porventura, não é o sonho inicial.» D. Tolentino Mendonça.

 

Esta beleza inspirada em Deus, mudaria o mundo.

 

«Se vós vos apaixonasses por Jesus,

assim como na vida vos apaixonastes

por uma criatura,

ou por uma humilde ideia,

o mundo mudaria».

Licenciado em Teologia. Professor de EMRC. Adora fazer Voluntariado.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail