É tempo de voar

Crónicas 04 fevereiro 2019  •  Tempo de Leitura: 2 min

Há um tempo em que sentimos que é o momento de olhar para trás e fazer balanços admitindo o muito que perdemos, o muito que ganhamos e o muito que evoluímos. Algumas coisas são eternas no seu próprio tempo mas não o são mais. Outras que pensamos ver-lhes a meta e afinal eram somente paragens. Sobretudo é preciso a capacidade de saber que não foram as coisas ou as pessoas que mudaram fomos nós. Aceitar e permitir-nos mudar é permitir-nos viver. Precisamos de compreender que as promessas valem a pena,  que merece sempre a pena caminhar até aos outros e com os outros porque todos somos e temos um tesouro. E que cada promessa de amor que fazemos é eterna no seu próprio tempo, na sua própria eternidade.

 

Chega um tempo em que te olhas ao espelho e ainda que imperfeita compreendes que mereces ser amada tal e como és. Aceitas que mereces o amor, que mereces ser amada. E que como tu todas as pessoas do mundo sem exceção.

 

A vida só faz sentido com amor. Amar é sempre a coisa certa a fazer mesmo quando dá errado. Há sempre bons frutos no amor. Porventura não os óbvios. Rompamos os nossos preconceitos do que é bonito e do que nos traz prazer e busquemos com a alma e o coração o que tem a vida a ensinar-nos com aqueles que coloca no nosso caminho.

 

Amar-nos é respeitar-nos a nós e àquilo que sentimos. Amar é valorizar-nos e valorizar o que sinto e caminhar e viver num amor que é fonte. Um amor que não se alimenta de receber. Um amor que é fonte inesgotável de si mesmo porque me amo,  me aceito, me respeito e me valorizo com todas as feridas, nódoas negras, cicatrizes e mazelas do caminho. Um amor que simplesmente é e de ser existe e cresce. Um amor como Deus é, como Deus nos ama, como Deus pensou e sonhou para o seu mundo, para cada um de nós. Em caso de dúvida vamos beber a esta fonte, renovemos neste amor que vem de Deus e por isso é imensurável e infinito.

 

Há um tempo que precisamos de libertar-nos do que nos prende porque só assim podemos começar a voar.

Paula Ascenção

Cronista

Leiga Missionária Comboniana por vocação. Gerontóloga de profissão. Nasci do amor e fiz d’Ele o meu caminho e missão. O meu lema de vida é “Ama e farás o que quiseres”. Peregrina de mim, viajante da vida, do mundo e das pessoas. Levo o coração como bússola e o amor de Deus como mapa no bolso de trás.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail