II TC: «Não têm vinho» - Ano C

Crónicas 20 janeiro 2019  •  Tempo de Leitura: 4 min

Abandono… o teu pensamento até retém a respiração, quando escuta este suposto substantivo!
Abandonar… as tuas mãos agarram a acção e negam totalmente o imperativo deste verbo!
Abandonado… o teu coração morre, e resta apenas o adjectivo que nos qualifica!
Ficar só é como uma mesa farta sem vinho:
a alegria não está presente, não dá sabor, não mata a sede… e a “boda” cai na desgraça…
Odesgraçado fica só, a desejar uma nova oportunidade, um nome novo, uma transformação,
uma manifestação de carinho e amor (que, por ventura, nunca desfrutou ou legou…).
ui… medo!medo do abandono; medo de abandonar; medo de Ser abandonado! medo…

 

Deus nunca quis a solidão para a humanidade.
Quando cada um de nós permitir, que da terra fecunda do nosso peito, desponte a preocupação pelo outro:
«Receberás um nome novo, que a boca do Senhor designará.»
O nosso exílio terminará com gestos de Serviço (de uns para com os outros) que crescem, diariamente:
«Em cada um se manifestam os dons do Espírito para o bem comum.»
e… a vida terá o vinho da alegria e a metamorfose da lagarta para fazer o nosso coração palpitar sonoramente:
«Anunciai em todos os povos as maravilhas do Senhor.»

 

Hoje, o 2º domingo do Tempo Comum, do Ano C, S. Lucas,
serve-nos o primeiro Milagre do Messias, pela mão de S. João Evangelista, que nos coloca em alerta máximo:
«Fazei tudo o que Ele vos disser».
Para um bom entendedor, ¼ (um quarto)de Palavra de Maria, Nossa Santíssima Mãe, basta!
Preparamos de imediato as canetas e as folhas para tomar apontamentose: «Enchei essas talhas de água».
Então?… Não é só ouvir? Não é só falar? Não basta estar presente e sorrir? (Nos casamento é assim…)
Não! É preciso Fazer para Ser! É preciso deixar de Ser para Fazer! (Tu és o que edificas.)

 

“Mais vale Ser que parecer!”
As vozes das lamentações são como a realidade virtual: tu vês, mas não sentes!
Tu tens conhecimento, mas não há propagação! Tu comes, mas não te sacia!
É preciso SER e VIR… MAS!!!!
Vir aqui, a esta casa de Deus, e não fazer a diferença no mundo lá fora, também é realidade virtual!
Vamos encher as talhas! Não as nossas… as dos outros!
Daqueles que não têm vinho, e onde habitam os Dons de Deus!

 

Nunca te cales, nem repouses a cabeça, sem ergueres a bandeira da Paz e da Justiça no rosto de quem está só!
É da tua condição Divina a Humana Missão de disponibilidade total, para amar a Deus no sofrimento do outro!
À imagem de Maria que alerta, e de Jesus que executa, e dos serventes que sem hesitarem: Servem!,
faz com que termine hoje o lado mau do abandono e, abandona-te à distribuiçãodos Dons do Espírito Santo!

 

Sê a desposada… Sê a predilecta
Sê morada para o Dommais humilde e pequeno que se transforma em Glóriapara que todos acreditem,
que… apesar da hora ainda não ter chegado… o Vinho Bomé para Ser Servidojá e agora!
Que a Boda seja farta em felicidade
e que a Palavra do Noivo se transforme sempre em atitude de Amor para toda a Sua Igreja! Vamos encher as talhas…

Liliana Dinis

Cronista Litúrgica

Liliana Dinis. Gosta de escrever, de partilhar ideias, de discutir metas e lançar desafios! Sem música sente-se incompleta e a sua fonte inspiradora é uma frase da Santa Madre Teresa de Calcutá: “Sou apenas um lápis na mão de Deus!”
Viver ao jeito do Messias é o maior desafio que gosta de lançar e não quer esquecer as Palavras de S. Paulo em 1 Cor 9 16-18:
«Porque, se eu anuncio o Evangelho, não é para mim motivo de glória, é antes uma obrigação que me foi imposta: ai de mim, se eu não evangelizar. (…) Qual é, portanto, a minha recompensa? É que, pregando o Evangelho, eu faço-o gratuitamente, sem me fazer valer dos direitos que o seu anúncio me confere.»

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail