Desafios da fé: Quem me dera voar!

Crónicas 07 janeiro 2019  •  Tempo de Leitura: 1 min

Entro no novo ano de coração cheio. Seria impossível não entrar com amigos por perto que fizeram quilómetros para comigo celebrar, com fé, com amor, com saúde e com a convicção de que este novo ano vai ser de grandes surpresas e sobretudo felizes mudanças.

 

Mas há uma angústia que teima em ficar à tona, mesmo quando o momento é de grande alegria. Apesar de anos de experiência em gestão de sentimentos e distâncias, com vários acontecimentos difíceis e marcantes, nunca me senti tão longe por tanto querer estar perto. Nunca senti que o estar longe me afetasse tanto como agora. Ai quem me dera bater as asas e voar! Nunca me senti tao triste por não conseguir partilhar com os meus em plenitude o que me vai na alma, no coração e no corpo. Nunca senti tanto a falta daquele abraço como hoje.

 

No entanto, sei bem, que o que é mais importante já tenho. Juntos somos muito fortes. E sei que assim que puder o abraço vai acontecer e a partilha vai ser total. A felicidade vai ser plena.

 

De braços abertos, com alegria e ansiedade, recebo esta nova fase com muita esperança e fé, independentemente da direção dos ventos para onde a razão me levar.

Madalena Júdice Correia

Cronista "enviada" à Tailandia

A hotelaria é a sua paixão profissional e trabalha para a Ritz-Carlton. Muito curiosa. Acredita que podemos ser pessoas um bocadinho melhores todos os dias, se estivermos dispertos para isso. Tem muita vontade de viver ao máximo a vida que Deus lhe oferecer. A melhor forma de estar é ao ar livre e em boa companhia. Um amigo uma vez disse que ela tinha uma certa loucura saúdavel.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail