Que sentido tem repetir mais uma vez esta história extraordinária?

Crónicas 25 dezembro 2018  •  Tempo de Leitura: 3 min

A história do Natal é admiravelmente coerente, apesar de tudo ser inesperado e surpreendente.

 

Começa em Nazaré, de onde nada de bom podia vir, uma pequena aldeia desconhecida com menos de 200 habitantes. Um anjo entra na casa de uma adolescente: "conceberás e darás à luz um filho". Responde Maria: "Mas eu não conheço nenhum homem!". Mas vai a correr para visitar a sua prima Isabel, velha e sem filhos, esperando, no entanto, também uma criança. Duas mulheres, uma jovem que não conhece homem algum e uma mulher idosa que não pode ter filhos: nelas, onde não existe ainda ou nunca existiu vida, Deus traz vida.

 

Quando O esperado nasce, nasce fora de casa e os primeiros a visita-Lo são mendigos e marginais: os pastores. Depois, chegam outros marginais: os magos que são estrangeiros e pagãos. Estamos realmente nos subúrbios do homem, como diz o Papa Francisco.

 

Que sentido tem repetir mais uma vez esta história extraordinária?

 

Para os cristãos, o Natal significa precisamente isto: a vinda de Deus entre nós num pobre e frágil bebé. É o grande mistério da fé cristã. Deus fez-se homem!

 

Mas também é um grande anúncio: Deus amou-nos tanto ao ponto de se tornar no que somos para que nos tornasse-mos no que Ele é.

 

O cristão, consciente desta sua qualidade como filho de Deus, intensifica a oração e a festa no dia de Natal. Mas este fervor religioso renovado é em vão se apenas se limitar a celebrá-lo como rotina e não o viver diariamente. Celebrar o Natal não significa recordar um facto relegado a um passado mítico, nem tentar entendê-lo intelectualmente, mas dizer "hoje cumpre-se o Natal para nós, aqui e agora".

 

Acolher a encarnação de Jesus não é um privilégio, mas um compromisso com Deus e com a humanidade. Por isso é que o Natal não é apenas uma ocasião para fortalecer as relações familiares ou de amizade. É acima de tudo uma atitude ativa e responsável com todo o mundo.

 

Termino citando D. Tonino Bello:

 

«Jesus que nasce por amor vos dê a náusea de uma vida egoísta, absurda, sem pressões verticais. E vos conceda a capacidade de uma existência carregada de doação, de oração, de silêncio, de coragem. A Criança que dorme na palha vos tire o sono e faça sentir a almofada da cama dura como um pedregulho, até que deem hospitalidade a um despejado, a um marroquino, a um pobre de passagem.»

 

«Gostaria de apertar a mão de todos, das crianças e dos adultos, dos ricos e dos pobres, e fixar os olhos da gente, e repetir a cada um que, se a trégua santa do Natal se alargasse a todos os 365 dias do ano, a vida na terra seria mais bonita: sem despejados, sem famílias divididas, sem corações decepcionados, sem desempregados, sem infelizes, sem trágicas solidões.»

 

Um Santo Natal para todos.

Licenciado em Teologia. Professor de EMRC. Adora fazer Voluntariado.

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail