Deixemo-nos surpreender pela graça!

Crónicas 06 setembro 2018  •  Tempo de Leitura: 1 min

Nove meses.


Tudo começa num momento de fecundação onde uma pessoa sozinha não chega para fazer germinar. Nove meses, é o tempo normal de gestação de uma vida e em que tanta coisa acontece ao redor.


Nove meses é um ciclo.


Temos outros ciclos na nossa vida: Primavera, Verão, Outono e Inverno; a noite e o dia; os dias de féria e o fim de semana; os segundos, os minutos, as horas; momentos de chegada e momentos de partida; o transitório e a eternidade… vivemos marcados pelo ritmo da natureza e do tempo.


E pela vida de tantos outros!


Somos o que somos. Porém, somos muito mais na relação e nas surpresas que estes ciclos nos vão trazendo em cada dia, em cada ano.


E em cada ciclo somos chamados a renascer pela graça. Ela é refrescante e discreta. Mas fiel, também!
E é esta, quem, em verdade, nos alarga os horizontes da alma e nos faz ver mais longe, para lá da rotina que os ciclos nos possam trazer.

 

É bom e bem real entender que na vida, em qualquer dimensão, não se caminha sozinho. Os ciclos da vida, quaisquer que sejam, são preenchidos pela vida e presença de outros.


Deixemo-nos surpreender pela riqueza incomensurável que cada ciclo nos traz! Deixemo-nos surpreender pela Providência que nos traz o bem e o belo, em cada ciclo!


Deixemo-nos surpreender pela graça! 

Cristina Duarte

Cronista

Subscrever Newsletter

Receba os artigos no seu e-mail